quarta-feira, 21 de abril de 2010

Descobrindo-me um pouco mais

Hoje aprendi algumas coisas interessantes sobre mim. Como sempre. Aprendi que tenho medo de me relacionar com o sexo oposto, por causa do meu péssimo relacionamento com meu pai. Ele é muito de lua, sempre tenho medo de falar com ele, porque nunca sei quem eu vou encontrar. Se é meu pai divertido, paciente, calmo, conselheiro - o que ele é poucas vezes comigo e com minhas irmã e mãe. Ou se é meu pai grosso e mau-humorado que ele sempre é com sua família. Ele não aceita críticas e nem opiniões, e se dizemos que ele errou... Meu Deus do Céu!
O pior é que com os outros ele é tão legal! Bom, de vez em quando ele é legal mesmo. Mas diz pra ele que ele está errado pra ver se ele não fica uma ferra!
Com isso eu fico insegura com os homens, porque não sei o que esperar da reação deles em determinadas situações. Às vezes, brinco com meu pai e ele reage de forma grosseira, brigando comigo e, às vezes, ele reage na brincadeira também. Daí, eu fico confusa e com medo. Mas estou trabalhando isso. E o teatro está me ajudando bastante e o pessoal lá também.
Queria ter tantos amigos homens. No sentido de poder contar as coisas sabe? O que penso e sinto. Mas mal me abro com as minhas amigas mulheres, que tenho maior facilidade de conversar, imagina com homens. Fora que quando você começa a ser você mesma com os homens, eles começam a pensar que te amam, que estão apaixonados por ti.
Cara! Estava só começando a criar confiança neles e estava começando a me abrir. A vencer meus medos... Mas fazer o quê!? Talvez devesse ser mais sincera com eles desde o início, eu penso. Falar sem medo, dos meus medos. Mas isso seria ridículo! Falar uma coisa dessas assim que se conhece alguém. Nos primeiros contatos devemos conhecer o superficial da pessoa. O que ela gosta de fazer (ler, escutar música, ir ao cinema, ao barzinho com os amigos para conversar...), o que ela faz (trabalha, estuda, atividades extra-curriculares...), seus sonhos e objetivos (isso já é um pouco mais fundo), sua cor favorita (tons de roxo!! hauhauhauau), comida favorita (arroz, farofa, couve-flor, pepino, milho e agora brócolis), animal favorito (gosto de todos, não tenho nenhum, tenho medo! hauhauhaaua), onde mora, com quem mora... E muitas outras coisas! Depois vai conhecendo as opiniões, os pensamentos e sentimentos... E só então é que começa a se apaixonar, a amar! As pessoas pulam um pouco as etapas. Atropelam tudo. É por isso que existe tanto divorcio e separação, fim de relacionamentos. Nem se conhecem direito. Mas também pode ser por falta de diálogo. Todo relacionamento tem que haver diálogo, senão fica cansativo e desgastado. Fora que, como diz o ditado, um amor é uma amizade que pega fogo. Então, seu namorado, noivo ou marido, antes de tudo deve ser seu amigo. Mas olha quem está falando. Alguém que nunca namorou nesta vida, por sempre entrar em pânico cada vez que há a possibilidade de algo ficar mais sério.